ezequiasmarins


A ORAÇÃO DE JABEZ

A oração de Jabez é sem dúvida, uma das mais fantásticas de todos os tempos (I Crônicas 4.9,10): Jabez foi o homem mais respeitado de sua família. Sua mãe lhe deu o nome de Jabez, dizendo: "Com muitas dores o dei à luz". Jabez orou ao Deus de Israel: "Ah, abençoa-me e aumenta as minhas terras! Que a tua mão esteja comigo, guardando-me de males e livrando-me de dores". E Deus atendeu ao seu pedido. (nova versão internacional) Foram muitos os sermões extraídos desse precioso verso das Escrituras. Nessa semana me ative em uma mensagem pregada pelo “príncipe dos pregadores”, C.H. Spurgeon, e nela fiz algumas reflexões para compartilhar com a nossa igreja aqui em Angra. Ative-me apenas na expressão: “quero que me abençoes”. No contexto que vivemos em que a benção de Deus tem sido barateada e onde temos necessitado redefinirmos o que seria espiritualidade, fica muito bem refletirmos sobre o que seria essa “benção” que fez com que Jabez vivesse uma vida assim tão cheia de distintivos morais e espirituais! Comecei a pensar junto com o texto de C. H. Spurgeon no que não seria essa benção. Não se trata de benção familiar, aquela que geralmente pedimos como que uma reza... chega um filho desalmado e, segundo o seu hipócrita costume, solicita: “bença, pai...”... Não se trata dessa benção, facilmente lograda por filhos intermitentemente desobedientes. Também não se trata da benção material, tão apregoada nos púlpitos vendidos à barata teologia da prosperidade. Folheei com muita dificuldade um livro essa semana do pr. Fernando Lima (“Mesa no deserto) devido mais ao seu simplismo com que desenvolveu o tema da prosperidade à luz das Escrituras. Em um ponto ele chega a dizer que precisamos confiar no “poder que está dentro de nós”... suas palavras são contundemente equivocadas: “A nossa ordem não falhará, enquanto você não assumir o seu lugar, o poder de Deus não poderá agir a seu favor. Mas se você assumir, o manancial de benção vem até você como uma mesa no deserto”. Mas, e quanto a provisão material não vier? O que faremos? Concordo integralmente com Spurgeon que dirá que “as posses materiais serão a sua ruína, a menos que você perceba a graça de Deus nelas”. A benção em suma... no sermão eu explico melhor outros detalhes (solicite pelo e-mail amanciomarins@uol.com.br)... seria tríplice: é a certeza da salvação em Cristo Jesus, a confiança na providência divina e a permanência de nossas obras em Deus. Essa tríplice benção tem o poder de eternidade em nossas vidas, ela nos estimulará a andarmos de cabeça erguida em meio ao turbilhão de dificuldades que insistem em aparecer em nosso caminho. Ela estará nos dando a distinção necessária para sermos reconhecidos (não apenas pelos homens, mas sobretudo por Deus) como filhos amados de um Pai que não se cansa de investir em nós. Lembro-me com muito carinho e propriedade daquilo que o próprio Jesus ouviu de seu pai, quando ele saiu das águas do Jordão: “Este é o meu filho amado, em quem tenho grande prazer”... (Mateus 3.17). E essa fala divina exerce impacto na sua vida quando você decide pedir ao Senhor para ser de fato abençoado... não como os ingênuos adeptos da fé capitalista (do toma lá, dá cá), mas sim como um genuíno filho que reconhece que não há melhor benção de receber do que ouvir o pai chamando-nos de “filhos e filhas”. Maranata. Ora vem Senhor Jesus!!!

Escrito por Ezequias às 12h23
[   ] [ envie esta mensagem ]




MENINICES DOUTRINÁRIAS

“O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro.” (Efésios 4.14,15)

 

Temos sonhado com uma igreja que tenha um alicerce sólido, e sabemos o preço caro que temos de pagar. Nesse ambiente gospel de muito “oba-oba” e pouco conteúdo bíblico temos sido desafiados a levarmos mais a sério a Bíblia em nosso arraial, que passarei a denominar “igreja local”.

 

Esse texto acima, de Paulo escrevendo sua circular às igrejas da Ásia Menor (hoje Turquia), ele enfatiza de modo muito sucinto: chega de meninices!! Esse verso ao meu ver é de fato uma pro-vocação ( pro de “ir adiante” e vocação de “chamado”) em outras palavras é uma chamada para se ir para a frente!!!

 

Para se “caminhar para a frente” a igreja local precisa resgatar o princípio de que a Bíblia é a sua única regra de fé e prática. As tradições humanas e as invencionices dos intelectuais de plantão não podem ofuscar o brilho das Escrituras. Perguntado a Lutero o que deveria ser feito com os seus sermões escritos, ele disse enfaticamente: “queimem todos, para que permaneça apenas a Palavra de Deus”.

 

Mas, o que vemos hoje é muita meninice em nosso meio. Tem muita gente que posa de “livre pensador” que critica tudo e todos e não contribui em nada para o crescimento do Corpo (a igreja local). É ainda como se já não fosse bastante, assume a aura de entendidos com conselhos vazios de propósito, sobretudo quando se propõem a responder questões sem o devido embasamento bíblico, em cima dos “eu achos” intelectuais.

 

É preciso mais do que nunca, nesse nosso tempo desenvolvermos uma “mente cristã”, que seria como definiu Henri Bramire, em 1963, “uma mente treinada, informada, equipada para lidar com dados de controvérsia secular dentro de um quadro de referências construído com pressuposições cristãs”.

 

Precisamos de gente para pensar a nossa contemporaneidade, mas com os olhares fitos nas Escrituras, e tendo-a sobretudo como fonte autoritativa para a vida pessoal e comunitária. Não podemos colocar nossos achismos em relação à igreja, os seus líderes, as suas estratégias, enfim qualquer questão acima do nosso entendimento de que a Bíblia é Palavra de Deus, escrita com as palavras dos homens.

 

Que venha esse tempo, em que a busca pela maturidade bíblica seja uma constante em nosso meio, onde haja unidade para compreendermos o que a Bíblia pensa em nós... e não o que nós pensamos pela Bíblia!

 

Maranata, ora vem Senhor Jesus!

 

 

 



Escrito por Ezequias às 12h22
[   ] [ envie esta mensagem ]




MENTE CRISTÃ

 a) É preciso desenvolvermos uma mente cristã nessa sociedade cada vez menos cristã.

 

- Antes, vejamos uma definição de mente cristã:  Henry Blamire, 1963, “mente cristã”, “uma mente treinada, informada, equipada para lidar com dados de controvérsia secular dentro de um quadro de referências construído com pressuposições cristãs”.

 

- Mas, a mente não será treinada nas trincheiras do “academicismo”, mas na simplicidade e pureza da vida de Jesus em nós, pois só assim, estaremos refletindo a glória de Deus. Tenho que concordar com o missionário Ronaldo Lidório em um artigo que tenho em meu arquivo: A primeira Missão da Igreja não é proclamar o evangelho, não é se expandir nem mesmo conquistar a mídia ou impactar a sociedade. A primeira Missão da Igreja é morrer. Perder os valores da carne e ser revestida com os valores de Deus. É se “desglorificar” para glorificar ao seu Deus. Quando perguntaram a George Müller sobre o segredo do seu sucesso ministerial, a sua resposta imediata foi: “O segredo de George Müller é que George Müller já morreu há alguns anos atrás”. É tempo de reconhecer que Deus é maior do que nós.

 

b) Temos que aceitar o desafio de lermos a Bíblia com os nossos próprios olhos, os brasileiros.

 

- O desafio da leitura bíblica com os nossos próprios olhos me fascina. Embora tenhamos que preservar as grandes tradições do passado, precisamos construir uma leitura mais tupininquim de nossa fé, para isso precisamos conhecer a nossa própria realidade.

 

- Precisamos ser “filhos de Issacar”:

 

“... dos filhos de Issacar, duzentos de seus chefes, entendidos na ciência dos tempos para saberem o que Israel devia fazer, e todos os seus irmãos sob suas ordens...” (I Crônicas 12.32)

 

- A expressão do texto é taxativa: “entendidos na ciência dos tempos”.. isso implica no entendimento das circunstâncias atuais e na capacitação em enxergar possibilidades neste tempo.

 

- Deus nos colocou nesse país para respondermos através de sua Palavra as questões que temos vivido por aqui... não podemos ler a Bíblia sem um engajamento com as causas sociais, precisamos viver o que Wesley dizia: "Não creio em cristianismo que não começa com conversão, e não creio em conversão que não termine em compromisso social."

 

c) E preciso estarmos sensíveis a qualquer variação daquilo que cremos ser bíblico.

 

- Não podemos colocar nossos achismos em relação à igreja, os seus líderes, as estratégias, enfim qualquer questão acima do nosso entendimento de que a Bíblia é palavra de Deus escrita com palavras de homens.

 

- Não dá para desprezarmos esse entendimento, salvo se estivermos conscientes de que o julgamento de Deus sobre a sua igreja não tarda... e a própria Bíblia foi bem clara a respeito dos que querem ver o que nela não está escrito, ou que não vêem aquilo que nela está escrito:

 

“Declaro a todos os que ouvem as palavras da profecia deste livro: Se alguém lhe acrescentar algo, Deus lhe acrescentará as pragas descritas neste livro. Se alguém tirar alguma palavra deste livro de profecia, Deus tirará dele a sua parte na árvore da vida e na cidade santa, que são descritas neste livro”. (Apocalipse 22.18,19)

 



Escrito por Ezequias às 17h58
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Sudeste, ANGRA DOS REIS, JAPUIBA, Homem, de 26 a 35 anos
Histórico
  16/04/2006 a 22/04/2006
  09/04/2006 a 15/04/2006
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006
  05/02/2006 a 11/02/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  08/01/2006 a 14/01/2006
  01/01/2006 a 07/01/2006
  25/12/2005 a 31/12/2005
  18/12/2005 a 24/12/2005
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005


Outros sites
  (MINHAS) PREGAÇÕES BIBLICAS
Votação
  Dê uma nota para meu blog